14 de outubro de 2013

Caminho (parte VIII): Tudo está certo!!!

Bom dia!!!

Chegamos no  albergue que tínhamos reservado em Orisson, por volta das 13h da tarde, eu acho. Não tinha ninguém lá. Sentamos do lado de fora, comemos algumas frutas, tiramos um pouco as botas e as meias, e acredito que ambos pensávamos a mesma coisa: eu gostaria de caminhar mais hoje! Esperamos um tempo e ninguém apareceu!

caminho de santiago 210

caminho de santiago 211

caminho de santiago 213

Depois de um tempo de descanso, decidimos caminhar até o outro albergue para ver se encontrávamos o hospitaleiro, mas a minha vontade era mesmo seguir caminhando.

caminho de santiago 216

caminho de santiago 222

E seguimos, pois chegando lá, encontramos uma senhora que não teria condição de seguir caminhada naquele dia e não tinha reserva naquele albergue que estava lotado há dias. Nossa vaga foi alegremente cedida para ela e prosseguimos em direção a Roscenvalles.

caminho de santiago 220

caminho de santiago 238

Esse trecho do Caminho é lindo, os Pirineus indescritíveis! E ainda encontramos cavalos e ovelhas!

caminho de santiago 218

caminho de santiago 225

A nossa única “preocupação” era o horário, pois tínhamos 20km pela frente, sendo a maior parte dele subida e já  eram quase 2h da tarde! Esse fato não impediu que eu desfrutasse da beleza do caminho, mas não permitiu que eu pudesse parar lá para meditar, como gostaria de ter feito!

caminho de santiago 248

caminho de santiago 251

Acho que vou ter que voltar lá por causa disso!  =)

Nesse dia, eu tinha a intenção de gravar uma mensagem de vídeo para minha amiga Agnes que mora na França, e iria fazer aniversário dentro de alguns dias. Agnes, pensei muito em você nessa parte do Caminho, afinal eu estava na França (longe e perto ao mesmo tempo) e espero que você tenha recebido todo meu carinho. A bateria da minha máquina acabou e não deu para gravar a mensagem. A intenção conta, né? =)     

agnes

Feliz nova idade linda! Amo vc! Sdds!

Voltando ao caminho, à medida que ganhávamos altitude (chegamos a 1.430m), a temperatura  caía e a beleza aumentava! Subimos basicamente sozinhos. Passou por nós um “peregrino corredor”, sem mochila, e que estava fazendo o caminho correndo. Loucura??!!

Além dele, lembro de ter visto um outro casal e só voltamos a ver mais peregrinos no final da subida, na parada para descanso antes de começar a descida para Roscenvalles. Inclusive reencontramos o David e o Krasimir lá.

caminho de santiago 241

caminho de santiago 245

caminho de santiago 258

Não tirei fotos da descida pois, como escrevi antes, a bateria da minha câmera tinha acabado. Acho que foi melhor assim, pois a descida foi a pior parte, nem quero lembrar! =0  Foi pior que qualquer subida, e ninguém tinha dito nada sobre ela. Não conheci um peregrino no caminho que não tenha sentido dor no joelho ao descer este trecho do Caminho.

Sobreviemos a descida e chegamos em Roscenvalles a tardinha (por volta das 18h). Tivemos sorte, pois ainda tinha vaga no albergue apesar do horário. Nesse dia experimentamos nosso primeiro “Menu do Peregrino”  que consiste em: entrada, prato principal, sobremesa, agua e vinho; tudo para repor a energia gasta do caminho rs. Depois do banho, jantamos na companhia dos nossos novos amigos!

caminho de santiago 261

Nesse dia tive a experiência peculiar de dormir num albergue onde haviam mais de 100 beliches no mesmo espaço.

caminho de santiago 268

caminho de santiago 266

E apesar de haverem mais de uma centena de “roncadores” juntos, dormi muito bem! Pode ter sido efeito do cansaço do dia de caminhada ou da noite mal dormida em Saint Jean, o fato é que não ouvi nada durante a noite, só mesmo os peregrinos reclamando dos roncos no dia seguinte. E, confesso que ADOREI  a experiência de dormir sob o mesmo teto de tantas pessoas diferentes!

Além da beleza do Caminho e das novas amizades feitas, nesse dia pude vivenciar mais uma vez a frase que afirma que :

“Tudo está certo!”

Se não fosse pelo Wagner, não teríamos agendando o tal albergue em Orisson, e se não tivéssemos tal agendamento não teríamos “tempo” de conhecer a pitoresca cidade de Saint Jean naquela manhã. Muitas pessoas  tinham nos deixado assustados em relação a esta parte do Caminho e provavelmente teríamos subido logo cedo como a maioria dos peregrinos. No final, mesmo saindo as 11h da manhã, tudo foi perfeito!

Confirmei a minha sensação interna de que o Caminho precisa ser flexível, e mais do que isso, precisa ser sentido:

Only the heart can speak or hear that which is authentic.
Sri Sri Ravi Shankar

Tentei levar isso como premissa para os próximos dias de caminhada,  procurando trazer essa postura para a vida. Mas escreverei mais sobre isso num outro momento…

Namaste

Thais

2 comentários:

Anônimo disse...

Oi meu amor...to aqui no maior snif, snif... Obrigadinha pela lembrança pelo carinho e por essa longa amizade que sempre me esquenta o coraçao, me faz chorar de saudades e me faz pensar que o mundo é bonito pois existem pessoas como vc!!! TE AMO!!!
Agi

Thais Yoga disse...

Ahhh linda, vc merece muuuuuuito mais!
Morro de saudades de vc, nem sempre a gente consegue se falar, mas o amor e a amizade só aumentam.